domingo, novembro 26, 2006

GH, IGF-1 E INSULINA: ANABOLISMO DE VERDADE?

A pouco tempo atrás, cerca de 3 ou 4 anos, o hGH (Human Growth Hormone), mais conhecido como GH, havia acabado de se tornar realmente popular. Havia se tornado se "base" de todo ciclo de preparação pré-competição. De fato, a maioria dos bodybuilders do exterior, a mais de uma década atrás, consideravam o hGH quase como uma necessidade para a preparação pré competição, e muitos usavam espectros do GF* ( Coisas como Insulina, IGF-1, hGH em si...).

Enfim, ao conversar com bodybuilders que competem sobre isso, eu não fico impressionado. Porém, a maioria das pessoas que eu conversavam que não eram bodybuilders profissionais ou amadores) sempre dizem que esses GF não dão o mesmo efeito de esteróides anabólicos dão. Pessoalmente, eu não vejo razão em pagar um amontoado de notas de 100 de reais em algo que não irá dar o mesmo resultado do que meia dúzia de notas de 20 reais em testosterona dará. E acabei descobrindo que não era bem assim...

Eu acho que seja por isso que as pessoas usam os GF incorretamente... Pois, quando corretamente usados, eles criam um potencial muito grande e tornam - se drogas impressionantes, tanto para atletas como para bodybuilders.

Ao pé da letra, eu estava errado. E muito. Eu creio que o motivo disso seja que vemos resultados variados das pessoas que usam peptídeos, é sua dosagem e seus protocolos de dosagem.

Agora, para entender como usá-los corretamente, primeiros precisamos ver como eles funcionam naturalmente quando estão em ordem. Os níveis naturais de GH são controlados por vários estímulos, incluindo tanto neurotransmissores como hormônios.
O processo de aumento dos níveis de GH no corpo é iniciado no hipotálamo. Lá, dois hormônios peptídicos agem juntos para aumentar ou diminuir a produção de GH pela gândula pituitaria.

Esses hormônios são conhecidos como somatosina (SS) e "growth hormone-relasing hormone" (GHRH), e eles tem efeitos opostos. A somatosina age na glândula pituitaria para diminuir a saída de hGH, quando o GHRH faz exatamente o contrário.
Por isso, o teu corpo pode usá - los para a secreção ou inibição do hGH na glândula pituitária, se necessário.

Quando não há hGH suficiente no teu corpo, o GHRH age para iniciar a emissão de hGH, e quando há muito hGH no corpo, a somatosina faz o contrário. Os efeitos mais tardios disso ocorrem porque o hGH é um sujeito de um feedback negativo pelo corpo. Quando o GHRH é liberado, causa uma cascata hormonal, começando com a subseqüente secreção de hGH.

Quando esse hGH é liberado, ele exerce vários efeitos metabólicos, e age como um gatilho de liberação do IGF-1 (Insulin Growth Factor), que agora é conhecido por exercer muitos dos efeitos previamente atribuídos somente ao hGH. O IGF-1 é altamente anabólico, apesar de uma enorme contradição na literatura existir, dizendo que o hGH já é anabólico por si.


Porém, ainda existem algumas evidências que mostram que o Lr3IG-1 é mais potente para a construção muscular do que o hGH. (O Lr3IGF-1 é cerca de 3 vezes mais potente do que o IGF-1).

Agora, após o hGH e a IGF-1 serem produzidos e secretados, eles tem a habilidade para circular de volta ao hipotálamo, tal como a glândula pituitária, para iniciar a liberação da somatosina. Como já dizemos, a liberação da somatiosina vai completar o ciclo negativo pelo corpo, e diminuir a liberação de hGH.


Apesar de ambos hGH e IGF-1 poderem fazer isso, e terem vários outros efeitos de sobrecarga, eles parecem ser capazes de produzir vários efeitos diferentes, e individualmente eles parecem agir em várias células e suas células vizinhas, sem precisar entrar pela membrana destas células.

Isso é basicamente a explicação do IGF-1 causar uma diminuição na gordura corporal, Apesar de não haver receptores de IGF-1 nas células de gordura. O hGH, em contrapartida, reduz a gordura através dos receptores de hGH encontrado nas células de gordura. O IGF-1, porém, parece ser o primeiro catalizador do surgimento de células musculares, também chamado de miogênese (geração da miofibra, ou novo tecido muscular).

Para entender esse mecanismo de regeneração e crescimento, nós podemos apontar vários efeitos hipertróficos que parecem ser totalmente modulados pelo IGF-1.

Quando o músculo é rompido pelo treino, a destruição do tecido muscular larga para trás algo conhecido como "células satélite". Essas células são pequenas concentrações de células localizadas entre o músculo que eram, e são mobilizadas pelo IGF-1 para começar o processo de crescimento muscular e regeneração.

Durante esse processo de regeneração muscular, os mioblastos são formados para substituir e hipercompensar os mesmos danificados, e então eles podem se fundir um com o outro para formar fibras totalmente novas, ou se incorporar as fibras danificadas que sobreviveram. Então, se mais miofibras são criadas do que destruídas ( pelo treino ), um crescimento muscular é notado.

Apesar dos efeitos do IGF-1 na criação de tecido muscular é simples e direto, parece que o hGH provavelmente exerce a mior parte dos efeitos anabólicos nos tecidos musculares, por sua abilidade de estimular a secreção de IGF-1. Além disso, também é especulado que pode haver um efeito adicional e direto, exercido pelo hGH em si, apesar desse efeito ser difícil de ser comprovado pelos cientistas.

Como nós já sabemos, a produção de IGF-1 provavelmente ocorre quando o hGH é liberado pela glândula pituitária (ou injetado por uma seringa...), e então viaja até o fígado e até outros tecidos musculares aonde ele influencia a síntese e a subsequente liberação de IGF-1. Sabemos que o IGF-1 recém secretado que viaja pelo sangue até atingir os tecidos maiores depois de ser liberado pelas células que o produzem (o fígado, ou nesse caso, pode ser também o tecido muscular que você treina).

Apesar disso ser bastante promissor, e eu já ter lido sobre o eixo GH/IGF, eu ainda não sou um fã do hGH ou do IGF-1, por causa de seu custo relativamente alto, comparado a outros componentes anabólicos. E também há a reclamação de não ter os efeitos "fantásticos" que são ditos por algumas pessoas que os usam ( E vale lembrar, que eu acho que a maioria dessas pessoas os usam errado, errando feio no tempo de uso e dosagem ).

Eu venho conversado com vários culturistas ao longo dos anos, que usam o GH/IGF-1 há tempos, e a tempos venho tentando entender que tipo de dosagem e protocolo de dosagem parece ser o de efeito mais anabólico. Cortando muito o assunto, existem 3 formas diferentes de IGF-1, que são identificadas por seguir o treinamento de resistência. Basicamente, isso significa que as diferentes isoformas do gene que regula o IGF-1 têm sido expressadas pelos músculos quando é submetido a simulação mecânica (um treino bem feito).

Em outras palavras, quando se levanta o peso, várias "versões" do mesmo IGF-1 básico são criadas quando o IGF-1 é secretado, isso nos traz a isoforma dominante de IGF-1, que é mostrada principalmente durante um princípio de sobrecarga muscular (ou um treino bem pesado), o "Mechano Growth Factor", ou MGF.

Talvez agora vocês entendam porque eu acho que a combinação IGF-1 e o MGF, ou até mesmo sem combinação, é muito superior ao uso do hGH, por vários motivos.
Por exemplo, em estudos com ratos, o uso de IGF-1 em dosagens menores do que a de hGH, tem provado ser muito mais anabólica do que o hGH.

Apesar de ser recém descoberto, os estudos comparando o IFG-1 e o MGF, têm concluído que o MGF é capaz de produzir resultados muito mais rápidos.

Eu tenho percebido que os culturistas que vem tendo resultados com o uso hGH, vem usando de uma regulagem IGF-1 tal como o MGF após seus treinos. Então, antes de tudo, a primeira recomendação, é usá - los logo após o treino, pois assim tu terá resultados porque depois do "treino de peso com cargas concêntricas e excêntricas, os níveis de proteínas repulsoras de IGF ( Como a IGFBP_4 ), são menores. Essa proteína, inibe os efeitos anabólicos do IGF-1.

Então, faz sentido tu obter maiores resultados quando os níveis destas proteínas estiverem menores do que o normalmente. Além do mais, nesse período logo após a aquele treino do mal, os níveis de IGF-1 estão altos, particularmente os níveis de MGF.

E isso irá ajudar na habilidade do corpo de induzir a miogênese e então, a hipertrofia. Se eu for gastar dinheiro com IGF-1 e MGF, eu preferiria injetá-los quando os níveis de suas proteínas repulsoras foram os menores, e então eles podem ter o máximo efeito anabólico.

Por isso, então, o uso de MGF imediatamente após o treino é recomendado, quando as doses naturais já estão elevadas. A adição de MGF extra, puxa mais células satélites para a formação de tecido muscular.

Recomenda - se então, o uso de IGF-1 cerca de uma hora depois, porque, nesse ponto, apesar do MGF continuar muito elevado, pode - se obter benefícios em adicionar IGF-1 nessa mistura, quando esse parece ser "cortado" apropriadamente para as isoformas na qual o corpo precisa.

Então, quanto ser usado? Bom... Conversando com bodybuilders, alguns atletas e lendo em alguns livros, percebi que a mágica parece começar quando essas drogas são administradas em cerca de 80 a 100 micro-gramas (mcg), que são injetadas no músculo treinado. Metade disso tende a ir para outro lado do corpo, ou para o outro músculo "espelho" que foi treinado.

Até esse ponto, quantidades adequadas de proteínas e carboidratos precisam ser ingeridas, porque o IGF-1 só irá ser efetivo quando há uma quantidade adequada de proteína no corpo para produzir esse novo tecido muscular.

O IGF-1 e o MGF são mais efetivos do que o hGH em si para o crescimento muscular, e creio que se você usá-los do modo descrito, você irá ter uma vantagem sobre os níveis mais baixos das proteínas que inibem suas ações, permitindo a esses peptídeos de exercer seus efeitos máximos.

5 Comments:

Anonymous Anônimo said...

excelente...

11:09 AM  
Anonymous Anônimo said...

que merda de comentario,o seu burro eu tomei o Hormonio de crescimento e ele me deu 48 de braço,vai tomar no cú

11:14 PM  
Blogger Júlio Maffioletti said...

BOA MATÉRIA. EMBORA TENHA FALTADO A O VALOR DA INSULINA. ATUALMENTE OS FISICULTURISTAS DE NÍVEL INTERNACIONAL USAM INSULINA, IGF-1, HGF e outros peptídeos.

3:21 PM  
Blogger Lin Huang said...

caihuanglin20150506

michael kors
oakley sunglasses
ray ban sunglasses
oakley sunglasses wholesale
ray ban glasses
michael kors handbags
coach outlet store online
ray ban sunglass
kate spade handbags
christian louboutin outlet
burberry scarf
ralph lauren outlet
burberry outlet
ray ban uk
mont blanc pens
gucci outlet
michael kors bag
michael kors uk
hollister clothing
coach outlet online
hollister clothing store
true religion
chanel handbags
cheap ray ban sunglasses
air max 95
chanel online shop
cheap jerseys
fitflops sale clearance
michael kors outlet online
toms outlet
cheap oakley sunglasses
ray bans
kate spade
kate spade bags
oakley sunglasses
oakley sunglasses
prada outlet
christian louboutin sale
coach factory outlet
chanel outlet

4:39 AM  
Blogger lina123 Chen said...

chenlina20150626
coach outlet store online
toms shoes
ghd straighteners
hollister
air jordans
chanel handbags
jordan retro 11
aviator sunglasses
michael kors outlet
hollister clothing store
birkin bags
jordan 4 toro
louis vuitton handbags
ray ban sunglasses
chanel outlet online
burberry outlet
michael kors outlet online
tods outlet
michael kors handbags
coach factorty outlet
christian louboutin sale
cheap toms
michael kors outlet
christian louboutin sale
hollister clothing
louis vuitton outlet
celine bags
true religion sale
ray bans
cheap jordans
oakley sunglass
coach outlet
michael kors outlet online
hollister kids
michael kors handbags
oakley sunglasses wholesale
ray ban wayfarer
abercrombie fitch
air jordan retro
michael kors outlet

2:49 AM  

Postar um comentário

<< Home